“A Natureza do Homem” abordará a questão do Meio Ambiente por meio da Sustentabilidade

Os desastres naturais, os valores descartáveis, a sustentabilidade e as indagações religiosas, são alguns dos conflitos do mundo contemporâneo que fazem a inspiração do artista jacareiense Clóvis Masson, na exposição “A Natureza do Homem”, que será realizada de 5 a 11 de junho, no espaço Tomie Ohtake, no EducaMais Jacareí. Este evento faz parte da Semana Integrada do Meio Ambiente, que será promovida pela Secretaria de Meio Ambiente na próxima semana, com várias atrações em diversos locais.

Em imagens e obras há muito de poesias, gestualidades, técnicas, cores, formas e materiais. Mas também é possível e visualizar a crítica, o absurdo, o humor, a sátira, o hibridismo, os contrastes e a sensibilidade. A exposição questiona e leva a refletir sobre uma coexistência possível e com maior responsabilidade, consciência e qualidade, a partir de dualidades que se complementam: construção/destruição; figurativo/abstrato; explosão de cores/paleta “poluída”; linguagens formais/suportes alternativos; técnicas puras/materiais mistos; conceitos/materialidade, explicitando a harmonia e diálogo entre as diferenças.

Nascido em junho de 1986, em Jacareí, interior de São Paulo, o artista Clóvis Masson, teve contato grande com a arte na família, convivendo com poetas, músicos e restauradores desde muito cedo. Iniciou aulas de pintura aos 13 anos e, paralelamente, estudou tuba na Orquestra Municipal de Jacareí.

Em 2006, formou-se em Artes Plásticas pela Universidade Braz Cubas e em 2009, pela mesma universidade, concluiu pós-graduação em Literatura, História e Cinema. Apesar de receber uma formação “clássica”, acadêmica, possui forte influência do universo “underground”, inserindo-se em vários cenários artísticos contemporâneos e urbanos, nacionais e internacionais.

Esta exposição contempla ainda a saturação de informação, a necessidade da “reciclagem” tanto externa como íntima, a subjetividade e o sentir humano e como todos estes reverberam e atuam no pensar, sentir, produzir do artista Clóvis Masson. “Eu não pinto a natureza. Eu sou a natureza, ” revela o artista.

(Marta Fernandes/PMJ)